Terça, Outubro 21, 2014

Bibliologia - A Estrutura da Bíblia

A Estrutura da Bíblia

A Bíblia é composta de duas grandes seções, conhecidas como Antigo e Novo Testamento, totalizando 66 livros, sendo 39 no Antigo Testamento e 27 no Novo Testamento.

Essa pequena coleção de livros (biblioteca) foi escrita num período de aproximadamente 1500 anos, por mais de 40 autores, das mais variadas profissões e atividades, que viveram e escreveram em países, regiões e continentes afastados uns dos outros, em períodos e condições diversas, mas seus escritos foram uma harmonia inigualável.

Os homens utilizados por Deus têm as mais diversas profissões e ocupações, conforme abaixo:

Nome

Profissão/Ocupação

Referências

Moises

Cientista

At 7:22

Josué

Soldado

Ex 17:9

Davi

Pastor de ovelhas e Rei

2 Sm 7:8;8:15

Salomão

Rei e poeta

Ec 1;12

Isaias

Estadista e Profeta

Is 6:8

Daniel

Ministro do rei

Dn 2:49

Zacarias

Profeta

Zc 1:1

Jeremias

Profeta

Jr 1:5

Amós

Boiadeiro e cultivador

Am 7:14 e 15

Pedro

Pescador

Mt 4:18

João

Pescador

Lc 5:10

Paulo

Doutor da Lei

At 22:3

Deus permitiu que sua Palavra fosse escrita em diversas condições, por exemplo:

  • Nos desertos como Elias 1 Rs 19: 4 e 5
  • Nas ilhas como João escreveu Ap 1:9
  • Nas prisões como Paulo escreveu Fm 1:1

Estrutura do Antigo Testamento

A estrutura do Antigo Testamento está assim dividido:

      Livros da Lei: tratam da criação e da lei

      Livros históricos: trata da caminhada do povo judeu

      Livros Poéticos: assim chamados pelo gênero poético

      Profetas maiores são assim conhecidos pelo grande volume literário.

      Profetas menores são assim conhecidos pelo seu pequeno volume literários

 

Lei

 

Históricos

 

Poéticos

Profetas

Maiores

Menores

Genesis

Josue

Isaias

Oseías

Êxodo

Juízes

Salmos

Jeremias

Joel

Levi tico

Rute

Provérbios

Lamentações

Amos

Números

1 Samuel

Eclesiastes

Ezequiel

Obadias

Deuteronômio

2 Samuel

Cantares

Daniel

Jonas

1 Reis

Miquéias

2 Reis

Naum

1 Crônicas

Habacuque

2 Crônicas

Sofonias

Esdras

Ageu

Neemias

Zacarias

Ester

Malaquias

Estrutura do novo Testamento

Evangelhos

Históricos

Epistolas

Profecia

Mateus

Atos

Romanos

Tito

Apocalipse

Marcos

1 Coríntios

Filemon

Lucas

2 Coríntios

Hebreus

João

Gálatas

Thiago

Efésios

1 Pedro

Filipenses

2 Pedro

Colossenses

1 João

1 Tessalonicenses

2 João

2 Tessalonicenses

3 João

1 Timóteo

Judas

2 Timóteo

Antigo Testamento

Estrutura do Antigo Testamento Conforme o judaismo

O Antigo Testamento judaico, conhecido por Tanak (em hebraico תנ״ך), sigla que vem das inicias da divisão Torah (תורה), Neviim (נביאים), Kethuviim (כתובים). A disposição em que encontram os livros do Antigo Testamento hebraico é diferente das outras versões, pois se constitui de 24 livros: todavia, são exatamente iguais aos 39 das Bíblias protestantes, pois os profetas menores são um único livro, assim como são os dois livros de Samuel, dos Reis, das Crônicas e Esdras-Neemias, totalizando um total de 24, conforme a disposição abaixo:

Tanak Ou Tanach (Em Hebraico תנ״ך)

A Torah (תורה), refere-se aos cinco livros conhecidos como Pentateuco, o mais importante dos livros do judaísmo.

Neviim (נביאים) "Profetas"

Kethuviim (כתובים) "os Escritos"

Segundo a tradição judaica, a estrutura em que se encontram os livros do Antigo Testamento está ligada a história do Templo e das instituições sacerdotais de Jerusalém. O estabelecimento do Cânon hebraico foi resultado de um longo processo, no qual intervieram fatores internos e externos ao judaísmo.

Para os estudiosos, tanto judeus como cristãos, a estrutura do Antigo Testamento se divide em dois grandes períodos:

1. O período do “Primeiro Templo”, desde a construção do Templo por Salomão (950 a.C.) e sua destruição pelos babilônios em 586 a.C.

2. O período do “Segundo Templo”, desde sua reconstrução por volta dos anos 529-515, época de Zorobabel, até sua destruição, no ano 70 d.C. pelos romanos.

Antes da destruição do Primeiro Templo, a Bíblia hebraica, antes de se tornar o livro que conhecemos, era um conjunto de coleções de “livrinhos”, lido em peças soltas e nunca como um texto seguido e completo. A Torah e os outros escritos apareceram entre os israelitas pré-exílicos e no judaísmo pós-exílico.

A Torah, segundo a crítica clássica, não era, nos tempos pré-exílicos, canônicos e obrigatórios para a nação. A literatura que iria ser incorporada à Torah existia em vários documentos e versões, um único livro ainda não havia sido cristalizado.

Segundo Kaufmann, “os livros da tradição mais antiga eram testemunhos e memoriais cf. Ex.17:14, Então disse o SENHOR a Moisés: Escreve isto para memória num livro, e relata-o aos ouvidos de Josué; que eu totalmente hei de riscar a memória de Amaleque de debaixo dos céus.as tábuas de pedra são um testemunho e são guardadas na arca.

Só os sacerdotes conheciam as leis sacerdotais e as manuseavam, de acordo com as tradições preservadas na Mishná, dois conselhos de rabinos judeus foram realizados (90 e 118 a.D, respectivamente) com Jabne ou Jamnia, não muito longe do Sul de Jope, na costa do Mediterrâneo, em que os livros do Antigo Testamento, principalmente Eclesiastes e Cânticos, foram discutidos e ratificados em sua canonicidade. O Rabino Gamaliel II provavelmente presidiu esse Concílio. Rabbi Akiba foi o chefe do conselho.

Flavio Josefo, historiador judeu (37 a 100 d.C.), contemporâneo de Paulo declarou:

Porque não temos entre nós uma quantidade enorme de livros, que discordem e se contradizem entre si (como acontece com os gregos), mas apenas 22 livros, que contém os registros de todos os tempos passados, que cremos justamente serem divinos... e quão firmemente damos crédito a esses livros de nossa própria nação fica evidente pelo que fazemos; porque durante tantos séculos que já se passaram, ninguém teve ousadia suficiente para acrescentar nada a eles, cancelar qualquer coisa, nem fazer neles qualquer modificação; tendo-se tornado natural a todo judeu desde seu nascimento estimar esses livros como contendo doutrinas divinas, e perseverar nelas; e caso necessário morrer voluntariamente por elas.

Conclui-se que a estrutura da Bíblia hebraica reproduz a provável ordem em que seus livros foram canonizados, formando a Tanak: primeiramente a Lei escrita em hebraico Torah, antes do exílio babilônico, depois os profetas (ou Neviim), no retorno desde e, finalmente, os Escritos (Ketuviim) ou Hagiógrafos, possivelmente só depois da destruição do Segundo Templo.

Estrutura do Antigo Testamento Conforme o Protestantismo E CATOLICISMO

O Antigo Testamento das Bíblias protestantes é o mesmo da Bíblia hebraica dos judeus, conhecido por Tanak. A diferença é a disposição em que se encontram os livros, pois o protestantismo não os uniu como a Bíblia hebraica, constituindo-o de 39 livros.

O Antigo Testamento das Bíblias Católicas seguiu a mesma estrutura da Bíblia traduzida do hebraico para o grego, conhecida como a Septuaginta (LXX) ou Cânon Alexandrino, que acrescentou os livros conhecidos como apócrifos, totalizando 46 livros. Portando sua estrutura difere da Bíblia hebraica e da Bíblia protestante, confirme esquema abaixo:

Profetas


Lei

Históricos

Poéticos

Maiores

Menores

Genesis

Êxodo

Levitico

Números

Deuteronômio

Tobias

Judite

Adições a Ester

I Macabeus

II Macebeus

Josue

Juízes

Rute

1 Samuel

2 Samuel

1 Reis

2 Reis

1 Crônicas

2 Crônicas

Esdras

Neemias

Ester

Salmos

Provérbios

Eclesiastes

Cantares

Sabedoria

Eclesiastico

Isaias

Jeremias

Lamentações

Ezequiel

Daniel

Adições a Daniel

Baruc

Oseías

Joel

Amos

Obadias

Jonas

Miquéias

Naum

Habacuque

Sofonias

Ageu

Zacarias

Malaquias

Livros Apocrifos


Novo Testamento

O Novo Testamento é o registro da historia e dos ensinos sobre Jesus. É nele que ocorre o clímax da revelação de Deus: é por meio dele que temos a história de Jesus, da sua vida e do seu ensino, dos seus sofrimentos, morte e ressurreição.

Antes de terminar o primeiro século, todos os livros do Novo Testamento estavam escritos. O que demorou foi o reconhecimento canônico, isto devido ao cuidado que as igrejas tinham em preservar a sã doutrina. Neste tempo surgiram muitos escritos com heresias.

Muitas doutrinas heréticas, como as defendidas pelos gnósticos, que negavam a encarnação de Cristo, pelos céticos que negavam a realidade da humanidade de Cristo, e elos monofisistas, que rejeitavam a dualidade da natureza de Cristo, eram encontradas nesses escritos.

O Novo Testamento é composto de 27 livros escritos em grego Koiné kɔɪnɛ̝^ , era a língua do povo comum diferente do grego clássico dos eruditos, o Novo Testamento está classificado em 4 grupos, conforme o assunto a que pertencem:


Biográficos (Os quatro evangelhos) Mateus, Marcos, Lucas e João, Descrevem a vida terrena do Senhor Jesus e sua gloriosa mensagem de salvação. Os três primeiros são chamados Sinópticos, devido às semelhanças impressionantes entre os conteúdos.

Histórico (Atos dos Apóstolos) Também poderia ser chamado de Atos do Espírito Santo devido à intensa manifestação do Espírito Santo na vida dos fieis.

Epistolas (21 cartas) Epistola era um modelo de carta formal muito utilizado na antiguidade. Os autores bíblicos se valeram desse meio de comunicação para propagar a fé cristã. No Novo Testamento vão de Romanos a Judas, sendo que:

· 9 são dirigidas às igrejas ( de Romanos a 2 Tessalonicenses);

· 4 são dirigidas a indivíduos ( de 1 Timóteo a Filemon);

· 1 é dirigida aos hebreus cristãos;

· 7 são dirigidas a todos os cristãos, (de Tiago a Judas)

· Profecia - Apocalipse